De lavadeira a atleta, Maria Elizabete foi pioneira ao representar o Brasil no levantamento de peso

Por ERICA BASTOS

Neste sábado (6/8), a partir das 19h, será realizada no Pavilhão 2 do Riocentro, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, a final do levantamento de peso feminino, categoria até 48 kg.

O Brasil, que nos Jogos Olímpicos Rio-2016 é representado por Jaqueline Ferreira (até 75 kg) e Rosane dos Reis (até 53 kg) no feminino, teve há 16 anos, em Sydney, quando as mulheres estrearam nesta modalidade olímpica, sua única representante até então: a veterana Maria Elizabete Jorge, na época com 43 anos.

Nascida em Viçosa (MG), em 1957, Maria Elizabete, que ainda vive em sua terra natal, só começou a praticar o esporte em 1991, aos 34 anos. Antes disso, havia se dedicado ao atletismo, participando, inclusive, de provas como a São Silvestre.

Como a situação financeira não era boa, foi obrigada a dividir o tempo de seu treino com faxinas e a lavagem de roupas de estudantes da Universidade Federal de sua cidade. E assim ela foi descoberta pelo técnico David Monteiro Gomes, colombiano radicado no Brasil, que a via carregando enormes trouxas.

A atleta Maria Elizabete Jorge em seu primeiro treino em Sydney (Crédito: Washington Alves/COB/Divulgação)
A atleta Maria Elizabete Jorge em seu primeiro treino em Sydney (Crédito: Washington Alves/COB/Divulgação)

Em um esporte majoritariamente praticado por homens, a atleta enfrentou dificuldades e, em 1992, um ano após iniciar os treinamentos, conquistou o título sul-americano, em Santa Fé, na Argentina.

Seis meses antes de iniciar a competição em Sydney, Elizabete cogitou voltar para seu antigo ofício, de lavadora de roupa, para bancar sua preparação para Olimpíada, devido à falta de patrocínio.

As dificuldades não foram só financeiras. Durante os treinos em Sydney, Elizabete teve ferimentos nas mãos por não estar acostumada com as barras ásperas de metal utilizadas na competição, que eram bem diferentes das lisas usadas por ela no Brasil.

Bete do Peso, como também era conhecida, ficou com a nona colocação na Olímpiada na categoria até 48 kg –a mesma da final deste sábado–, dentro da meta estabelecida por ela mesma, que era chegar às finais e terminar entre as dez melhores.

Aposentada como atleta, Maria Elizabete Jorge, hoje com 59 anos, continua ligada ao esporte que a projetou. Atualmente ela é presidente da Federação Mineira de Levantamento de Peso, formadora de atletas e árbitra do esporte.