Há 55 anos, Jânio Quadros renunciou a Presidência

Por EDGAR SILVA

Foi em 25 de agosto de 1961. Nesta Folha, na manhã do dia seguinte, o caso assim foi noticiado no alto da primeira página: “Ranieri na presidência desde ontem; Jango é esperado hoje”.  Na ocasião, Pascoal Ranieri Mazzilli era presidente da Câmara dos Deputados e assumiu interinamente, já que o vice, João Goulart, estava em visita a China. A página de capa daquele dia também trazia a carta de renúncia, com os famosos dizeres “forças terríveis levantam-se contra mim”.

Mal vestido e despenteado, Jânio fazia discursos incisivos e gesticulava muito. Dias antes da renúncia, irritou seus aliados ao adotar política externa independente e condecorar Che Guevara com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul.

Jânio também foi criticado por Carlos Lacerda, então governador do Rio de Janeiro, como noticia a Folha em manchete de capa de 21 de agosto de 1961: “Lacerda ataca Jânio e diz que vai renunciar: crise política”.

Com a renúncia, Jânio viajou para São Paulo e, três dias depois, embarcou no navio “Uruguai Star”, em Santos, com destino a Londres.

Na política, sua trajetória foi meteórica. De 1953 a 1960, foi eleito, sucessivamente, prefeito de São Paulo, governador e presidente, sempre usando o combate à corrupção como bandeira. Mas evitava se comprometer com partidos e acabou se isolando.

Natural de Campo Grande (MS), Jânio nasceu em 25 de janeiro de 1917. Estudou na  Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, formando-se em 1940. Casou-se com Eloá do Vale (1923-1990), com quem teve uma única filha, Tutu Quadros que, a exemplo do pai, ingressou na política e elegeu-se deputada federal.

Na ocasião do 50º aniversário da renúncia, em 25 de agosto de 2011, a Folha lembrou a data com dois textos opinativos. Na seção Tendências/Debates, Jânio Quadros Neto, neto do ex-presidente, assina o artigo “A renúncia de Jânio, um enigma decifrável”. Já o historiador Marco Antonio Villa escreveu a análise “Jânio queria o poder absoluto, mas fracassou”.

 

AGOSTO, MÊS DO DESGOSTO

A renúncia de Jânio Quadros, só engrossa o caldo de que o oitavo mês do ano é uma época de desgosto, como diz o ditado popular brasileiro.

Isso porque o oitavo mês do ano marcou, também, a morte de Juscelino Kubitschek, o suicídio de Getúlio Vargas, os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, a morte da princesa Diana e, mais recentemente, a morte do então candidato a presidência da República Eduardo Campos, em acidente de helicóptero.

COLABOROU SARAH MOTA RESENDE, DE SÃO PAULO