‘Bate-boca’ entre roqueiros e crítico agitou a Folha

Por Luiz Carlos Ferreira

Aproveitando o gancho da única apresentação que a cultuada banda pós-punk Voluntários da Pátria fará nesta sexta-feira (7) no Sesc Belenzinho, em São Paulo –depois de 20 anos sem subir aos palcos–, o blog do Acervo Folha relembra episódio tenso ocorrido há 32 anos, quando integrantes do conjunto e de outros grupos da capital paulista estiveram na Redação da Folha em protesto contra crítica que desmerecia o cenário roqueiro da cidade.

Era 28 de outubro de 1984, o Brasil vivia seu último ano sob o regime militar, que perdurava havia duas décadas no país. O maior festival de música da América Latina, o Rock in Rio, seria realizado 4 meses depois, em janeiro de 1985, sem bandas paulistas na programação. Na Folha, o crítico cultural Pepe Escobar (na foto acima, à esq., de preto e encostado à parede) causava polêmica em crítica antológica onde enfatizava o amadorismo dos roqueiros paulistanos, afirmando que apenas três bandas da capital tinham “boas possibilidades” de ascensão naqueles anos.

Intitulado ”Desventuras do rock paulistano“, o artigo de Escobar poupava apenas as bandas RPM, Voluntários da Pátria e Zero. Às demais, o crítico seguia com a afirmativa de que o rock de São Paulo era debate para “guetos”, e que neles deveriam permanecer.

“O RPM deveria ser contratado imediatamente por uma grande gravadora.” “Os Voluntários lançaram seu primeiro LP independente, e se passarem por cima de suas letras PT, vão longe.” “O Zero está com uma ótima fita gravada em estúdio.” “O resto é de lascar”, avaliava o crítico.

Escobar destacava ainda uma carta enviada à Folha pelo vocalista do grupo Zero, Guilherme Isnard, onde o músico e compositor carioca expressava sua indignação com o rumo que o rock vinha tomando na capital, e classificou um dos principais redutos do circuito, o Val Improviso, no centro de São Paulo – onde muitas bandas se apresentavam– de “pulgueiro”. Para o músico, que fez parte da primeira formação dos Voluntários, o local não passava de uma “armação para alimentar algumas bocas”, disse na época.

Seguindo o raciocínio de Isnard, que em sua carta destilava termos como “maçonaria do rock”, “máfia do rock” e “cooperativa musical intergrupos” para adjetivar os roqueiros paulistanos, Escobar não limitou sua opinião: “Aqui não adianta algum grupinho tentar monopolizar a vanguarda. Não existe uma vanguarda. Existe uma tendência explorada pelos donos do mercado, que precisa ser revertida”. Sobre o Rock in Rio, o jornalista declarou que seria “no mínimo ridícula” a participação de bandas paulistas no evento. “Imaginem Kid Girimum e suas Lagartixas Amestradas abrindo um show para as Go-Go’s”, ironizou.

 

Nasi, vocalista do Ira! e do Voluntários da Pátria com colegas na Redação da Folha (Foto: Avan Stein - 29.10.84/Folhapress)
Observado por Caio Túlio Costa (à esq, de óculos), secretário de Redação da Folha à época, Nasi, vocalista do Ira! e do Voluntários da Pátria gesticula diante de colegas na Redação do jornal (Foto: Avani Stein – 29.out.84/Folhapress)

No dia seguinte à publicação da crítica, integrantes e representantes de 12 bandas, entre elas Ira!, Inocentes, Garotas do Centro e Mercenárias, reuniram-se na sede do jornal a fim de manifestar suas queixas contra o texto.

Recebidos por Escobar, o grupo reivindicou ao jornal que fosse agendado um debate amplo sobre a questão. Em um dos momentos mais calorosos da discussão, Marcos Valadão Rodolfo, o Nasi, então vocalista do Ira! e do Voluntários, tentou agredir fisicamente o jornalista, que, antes de abandonar o debate, reafirmou sua opinião ao declarar que a maioria das bandas de São Paulo era sim “muito ruim musicalmente”. Marcus Mocef, responsável pela programação do Val Improviso, e que também acompanhava os músicos naquele dia, foi categórico: “Escobar não se interessa em entrevistar e ver de perto o trabalho das bandas, fica escrevendo de orelhada e incitando fofocas no meio”. “Não estamos contra a Folha, e sim contra um crítico incompetente”, completou.

Duas semanas depois, a Folha atenderia à súplica dos roqueiros quando, na noite de 14 de novembro, com um público de 150 pessoas –mais do que as 120 poltronas disponíveis em seu auditório–, promoveu um grande debate sobre o rock de São Paulo e o papel da crítica na mídia impressa. Entre os presentes estavam profissionais e amantes de várias vertentes do gênero.

Críticos, músicos e amantes do rock participam de debate no auditório da Folha(Foto: Mario Leite - 11.nov.1984/Folhapress)
Críticos, músicos e amantes do rock participam de debate no auditório da Folha(Foto: Mario Leite – 11.nov.1984/Folhapress)

Mediado pelo jornalista Matinas Suzuki Jr., então diretor da sucursal da Folha no Rio, o evento, pacífico, contou com a participação –dentre outros– do produtor Peninha Schmidt (Titãs, Ultraje e Ira!), Luiz Carlos Calanca, distribuidor independente e proprietário da loja de discos Baratos Afins, e José Augusto Lemos, crítico da extinta revista “Som Três”.

Momentos do debate foram publicados na Folha em 18 de novembro, na reportagem “Queixas e papos no debate sobre rock”, na primeira página da Ilustrada.

Frases:
“Temos que discutir aqui como surge uma nova geração de músicos, como interferem no sistema estabelecido. Como esses grupos podem se unir e participar, juntos, para acabar com essa divisão em guetos em que se encontram hoje”.
Pepe Escobar, crítico cultural da Folha

“A gente estar aqui é muito importante. Me envolvi com rock and roll desde o começo e nunca vi uma plateia tão séria de debatedores”
Pena Schmidt, produtor musical

“Se a Folha tivesse interesse em fazer um trabalho sério, não manteria em seus quadros repórteres que não pesquisam e não conhecem os trabalhos dos grupos de rock”
Thomas Pappon, baterista do grupo Smack

“O rock paulista é difícil e sofrido, as condições são precárias e o espaço conseguido depende do esforço isolado de cada banda”
Miguel Barella, guitarrista do grupo Voluntários da Pátria

“O rock paulista realmente ainda deixa muito a desejar. Não existe divulgação no rádio, entre outras coisas porque a execução ainda é muito precária…”
Paulo Leite, radialista da Excelsior

“Crítica e informação são coisas diferentes. A Ilustrada tem muita crítica e pouca cobertura. Mesmo assim é o único canal aberto para o público do rock”
José Augusto Lemos, crítico da revista “Som Três”

“O problema do rádio é simples: jabaculê. Paga-se e pronto.”
Paulo Ricardo Medeiros, crítico da revista “Som Três”

Público de cerca de 150 pessoas participa de debate promovido pela Folha (Foto: Mario Leite - 11.nov.1984/Folhapress)
Público de cerca de 150 pessoas participa de debate promovido pela Folha (Foto: Mario Leite – 11.nov.1984/Folhapress)